segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Comunicadores empresariais "Hands on".



Uma das premissas de um comunicador empresarial é saber unir habilidades e conhecimentos adquiridos e aplicar cada um deles no momento certo. As empresas não precisam exatamente de um jornalista ou de um publicitário, um RP ou um radialista ou apenas um produtor de eventos como as faculdades de comunicação social ainda costumam formar entre seus estudantes. Cada disciplina é fragmentada em relação ao todo do universo da comunicação e isso nunca me pareceu o melhor para a empregabilidade dos alunos. Quando um bom aluno de jornalismo, por exemplo, chega numa organização, ele traz, na maioria das vezes, técnicas e percepções de um jornalismo tradicional. O mesmo acontece com um publicitário. Mas a empresa tem outra lógica, outra pegada. 

Toda empresa é uma empresa de comunicação (apesar de nem todos os gestores perceberem essa característica) e o fato é que elas não precisam de uma ou outra disciplina de comunicação mas um conjunto miscigenado delas para dar conta dos desafios organizacionais, da gestão e também culturais de cada uma delas, em seus setores de atuação. Assim uma mineradora precisa ter na sua comunicação, profissionais de características diferentes de uma empresa de varejo, ok? mas entendedores de uma visão sistêmica, maior do que as competências e conhecimentos trabalhados na universidade. O mais importante é ser não apenas um estrategista, um planejador de veículos, mas também um profissional "Hands on". Na hora que precisar, vai lá e faz, garantindo a entrega sem deixar a bola quicando no salão. Aliás, quando se trata de eventos em grandes empresas, bola quicando é...da comunicação! Pode apostar.

#eventos #comunicar #comunicacaointerna #visaosistemica #comunicadorempresarial

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Que tipo de liderança consegue incentivar o melhor das pessoas?


É possível levar equipes e times de trabalho para um nível de colaboração no qual o mérito de cada um, complemente o conjunto? Que tipo de liderança consegue incentivar o melhor das pessoas? Eu acredito que seja possível trabalhar o diálogo dentro das organizações de forma a colocar as pessoas e seus potenciais numa sentido de realização capaz de fazer a diferença. Boa gestão é sinônimo de boa comunicação. 

Falei sobre isso na minha palestra no Comunicar da #Sicoob #Crediminas no evento COMUNICAR para 200 gestores em Belo Horizonte (MG).



O mais importante é sempre lembrarmos que por trás de cada crachá, matrícula, CPF, contrato, proposta, conta, login e processo existe uma PESSOA como eu e como você. Humanizar as relações humanas parece redundância mas é uma prática de cuidado, atenção e afeto com o outro e nem sempre esse dinâmica acontece como deveria no nosso dia a dia, não é mesmo?

A comunicação interna tem esse poder transformador. Aprender a dialogar de forma inclusiva é uma ferramenta que equipa gestores para alcançar a excelência. Meu curso COMUNICAÇÃO INTERNA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO trabalha nessa linha.

#comunicacaointerna #cuidar #comunicar #comunicacaocomempregados #gestao #humanizar #comunicacaoorganizacional

sábado, 19 de agosto de 2017

Comunicação Interna como ferramenta de Gestão - Curso in Company.




Esta semana estive em Salvador, no TRE da Bahia, trabalhando a Comunicação Interna como Ferramenta de Gestão para uma equipe show de bola de comunicadores e gestores de RH. O curso foi contratado pela ABERJE e adaptado para as características de uma instituição pública que em 2018 terá um desafio muito grande pela frente.

Saiba mais aqui.


#comunicacaointerna #cursosincompany #boraestudar #aberje #comunicacao #dialogo #comuncacaofaceaface #gestao #comunicar

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Rádio zap zap.




Estamos vivendo um tempo de excessos. Excessos de informações, dados, mensagens e ruídos em nossas conversas diárias. Somos bombardeados por milhares de estímulos. Neste cenário de um mundo web hiperconectado vivemos um tempo de excessos nos grupos de conversa pelo Whatsapp, Telegram, Messenger, We Chat e seus similares. 

Nas empresas, a antiga rádio corredor virou uma espiral eletrônica de grupos e mais grupos reunidos para disparar, sem qualquer critério, todo tipo de mensagem.  Gestores bem intencionados montam grupos extras para falar com suas equipes, mantendo o envio de e-mails e os chats corporativos ampliando o mar de excessos. A falta de critérios produz uma quantidade de piadas, memes, textos, fotos e comentários entre tolices, futilidades e também assuntos sérios que tumultuam a agenda mental dos profissionais. O momento político no Brasil é outro fator de dispersão a cada nova denúncia, ação da Polícia Federal, delações, decisões do Congresso ou do STF. Os ânimos acirrados também afetam o emocional. Quem não tem foco e critério acaba vendo o seu tempo de trabalho perder horas valiosas numa dispersão perigosa e que produz cansaço mental e por tabela, baixa produtividade.

Num tempo de fake news surgidas a partir da possibilidade de que qualquer usuário possa criar e emitir conteúdos, gerar notícias e enviar a sua opinião (sobre todo tipo de assunto), este excesso que muitas vezes aparenta ser uma questão de transparência é na verdade um desequilíbrio quantitativo. Nesse tsunami digital precisamos  buscar oxigênio para manter o foco naquilo que interessa para o dia a dia do trabalho. Precisamos separar o joio do trigo e enxergar com mais clareza o conjunto disponível de informações e assim definir o que é relevante e urgente.  

O excesso nos cansa e nos tira do foco.

Nesse ambiente sobrecarregado, aquilo que é urgente e importante vai ficando misturado com aquilo que é postergável, fútil, inútil. Juntemos a esses grupos ainda o mar de e-mails e as horas para acompanhar as demais plataformas on line como Facebook, Twitter, Linkedin etc. e nosso dia ganha uma sobrecarga exaustiva de estímulos dos quais ninguém pode dar conta. Certamente, apenas os algoritmos e os robots.

Qual a solução?

As empresas podem e devem buscar soluções para essa nova realidade através da orientação aos seus empregados. Treinamentos e capacitações, palestras e diretrizes para o universo das redes sociais dever ser ensinada a fim de evitar déficits de atenção, garantir melhor administração do tempo e também diminuir a repercussão da rádio corredor agora uma rádio zap zap instantânea. 

Educar para o universo social é vital em tempos digitais. 

A magia dessas ferramentas e tecnologias iludem e encantam, mas devem ser percebidas também naquilo que podem atrapalhar o andamento das rotinas de trabalho. a inovação deve ser acompanhada de um maior entendimento dos cenários assim como a disrupção (outra palavra da moda) permanente causa um sentimento de inquietude e pode gerar ansiedade e stress nos times de trabalho. Uma novidade a cada minuto causa a sensação de que a estabilidade nunca mais será alcançada. 

Vamos manter os pés no chão e orientar os empregados e os gestores para buscarem critérios na seleção do que realmente importa para o dia a dia do trabalho. Esta é uma contribuição valiosa que a área de comunicação corporativa pode dar para a empresa. 


sábado, 15 de outubro de 2016

Humanizar as relações humanas.



Um canteiro de obras da BP em Baku, no Azebaijão, me faz refletir sobre como diante das dimensões gigantescas de máquinas e equipamentos, o ser humano parece insignificante. Mas é só aparência. A razão de ser de todo investimento, empreendimento ou desafio a ser vencido é o ser humano. Por isso, a comunicação interna é essencial: para dar a devida atenção aos empregados em situações como essa que podem trazer uma percepção errada sobre o sentido do trabalho.